Por dentro

#charge #imprensa #carolito #jornalismo
“Ainda se publica mais quadrinhos de homens, por toda uma questão estrutural do machismo”, alerta Carol Ito
"Em entrevista, a jornalista conversou sobre carreira, política e os desafios de ser mulher no mundo dos quadrinhos"
Equipe Mescla


Por Jessica Montanha (*)

Carol Ito é paulista e trabalha com quadrinhos de forma independente desde 2014
(Foto: Marcel Copola)


Carol Ito tem 28 anos e cresceu em Marília, no interior de São Paulo. É jornalista, quadrinista e ilustradora com experiência em reportagem e jornalismo em quadrinhos. Mestre em Ciência da Informação pela Escola de Comunicações e Artes, da Universidade de São Paulo (USP), é autora da série Novo Anormal, publicada semanalmente na Revista TPM, e do blog Salsicha em Conserva, indicado ao Troféu HQMIX 2015, o Oscar dos quadrinhos no Brasil, na categoria Webquadrinhos. Também é coordenadora do Políticas, projeto dedicado a divulgar quadrinhos políticos feitos por mulheres brasileiras. Em 2019, foi indicada ao Troféu Angelo Agostini, na categoria “melhor cartunista”.


Carol concedeu esta entrevista por meio de um aplicativo de mensagens. Confira:


O que ou quem te motivou a trabalhar na área dos quadrinhos, charges, cartuns?


Carol: Bem, eu acho que eu sempre desenhei. Desde criança eu gosto de desenhar e copiava revistinha de mangá, essas coisas. Na época, entre 2013 e 2014, tive uma crise depressiva muito forte e aí comecei a desenhar para conseguir ocupar meu tempo. Eu tinha muita insônia, desenhava à noite e tal. E aí fui vendo que tinha uma parada meio cartum ali, meio quadrinho, porque eu tinha ideias que misturavam as duas linguagens, do desenho e do texto. Então, foi meio que para me entender, assim, fui fazendo para conseguir elaborar minhas próprias questões. Daí, eu comecei a publicar no Facebook, na época, e vi que tinha gente que se identificava. Então, acabei continuando. E acho que o quadrinho é por conta da minha ligação com o desenho e contexto, né? Já que eu sou jornalista também sempre gostei de escrever.


Como é a sua rotina de produção? Quais materiais e ferramentas você utiliza para desenhar?


Carol: Sou jornalista e quadrinista freelancer, eu vou trabalhando conforme entram uns pedidos de trabalho. Vou falar mais sobre a minha rotina com a série de tiras que eu tenho na revista TPM, todo domingo. Eu tenho que ter uma rotina para fazer essa produção. Eu tento ler notícias, ver que está rolando de assunto no momento ou acabo me atentando a alguma questão mais pessoal. Porque as minhas tiras costumam ser autobiográficas, é basicamente tudo que eu reflito, o que eu sinto sobre o momento que a gente está vivendo. Principalmente agora, na pandemia. Eu fico atenta ao que está acontecendo, a minha volta e dentro de mim, e faço meus quadrinhos sobre isso. E os materiais eu desenho a mão, a lápis. Faço a arte-final a mão também, com tinta nanquim e aí escaneio e faço a colorização no Photoshop. Então, é uma mistura entre o artesanal e o digital.

Cartum da série Novo Anormal, da Revista TPM
(Reprodução: Instagram)


A charge é como um produto noticioso que, além de entreter o leitor, também desperta o questionamento dos fatos que estão subentendidos em seus traços. De que forma você leva informação através de seus traços? Como você acha que eles mostram a sua interpretação/opinião sobre a realidade?


Carol: Eu acho que o quadrinho, de modo geral, a charge, o cartum, eles têm essa comunicação muito direta com o público, porque é uma linguagem muito sintética. Ela precisa reunir toda informação e mensagem que você quer em poucos ou num único desenho. Isso é muito desafiador, você conseguir resumir e sintetizar tudo que você quer dizer ali. O meu trabalho especificamente, particularmente, é captar pequenas ironias do dia a dia. Óbvio que algumas situações são exageradas, porque às vezes para deixar uma mensagem mais clara, você precisa exagerar uma certa situação, mas, na maioria das vezes, é só perceber nas contradições com as quais a gente já convive, as ironias, as situações inusitadas ou corriqueiras, até demais, que mostra o quanto o cotidiano mesmo, às vezes, já é um absurdo de alguma forma. Então, obviamente, tudo ali tem o meu olhar, meu filtro, mas eu tento captar esses padrões de comportamento, essas situações que dizem muito sobre o nosso modo de vida, dentro do sistema capitalista, dentro do patriarcado, enfim, são situações que refletem uma questão mais ampla. Eu sempre tento trazer essa profundidade, digamos assim.


Nesses tipos de ilustrações, além de satirizar, a sua função é levar informação através de seus traços. Como o atual cenário no Brasil influencia na sua inspiração em seus trabalhos?


Carol: Bom, o Brasil é uma fábrica de produzir situações que são úteis para os chargistas, de modo geral, que despertam indignação, ou a crítica, ou a revolta, enfim. Então, o Brasil é um país que não deixa a desejar nesse sentido, infelizmente. Até por conta da desigualdade social que a gente vive, que é sistêmica, estrutural. Essa desigualdade sempre está escancarada de várias formas. Então, no momento, está bem puxado, porque nós, artistas, acompanhamos o noticiário, as redes sociais, buscando até material para o nosso trabalho e realmente é desgastante você acompanhar as notícias e nesse momento de pandemia, desgoverno, enfim. Eu costumo alternar meus temas, eu não fico só falando de política, ou só falando de saúde mental ou só falando de feminismo. Eu vou flutuando entre vários temas, para até para dar uma respirada, às vezes, né? Eu acho que tudo, mesmo as questões íntimas são políticas também. Mas a coisa de acompanhar o noticiário, fazer um comentário da notícia, com charge por exemplo, é uma coisa que eu não faço tanto, com tanta frequência, porque é realmente muito tóxico. Então, como diria o André Dahmer, outro cartunista importante… ele tem um cartum que fala: um país ótimo para o chargista, é um país péssimo para as pessoas viverem, alguma coisa assim.

Cartum do desenhista brasileiro André Dahmer
(Reprodução: Twitter)


Quais são os maiores desafios para uma mulher que trabalha nessa área?


Carol: A desigualdade de gênero está em todos os campos profissionais e culturais. Acho que o desafio, hoje, é primeiro, fazer. Insistir nesse trabalho, que é um trabalho que demanda uma postura, um posicionamento, uma certa coragem de enfrentar críticas e ondas de ódio. E como profissional, é essa questão do espaço. Muitos lugares já estão consolidados, já tão ocupados por homens há muitos anos, há muitas décadas e acaba sendo mais difícil de se inserir. Espaços que legitimam os trabalhos como jornal, editoras, premiações… As mulheres ainda sempre são em menor número, menor participação. Não que elas não façam quadrinhos, elas sempre fizeram e hoje em dia, com a internet, fazem muito de forma independente, mas ainda é difícil acessar esses espaços de legitimação, mais institucionalizados. Então, ainda se publica mais quadrinhos de homens, por toda uma questão estrutural do machismo e de acharem que o que a mulher traz na produção artística é de nicho, feito para mulheres. Ou que os temas que as mulheres abordam não são temas também universais, como os temas que os homens abordam. Isso é um buraco bem, bem fundo… um buraco bem mais embaixo. Mas a gente segue resistindo. Acho que não tem outro caminho, senão esse.


Quais são os trabalhos seus que tiveram grandes destaques ou que você goste muito?


Carol: A minha reportagem que saiu no ano passado sobre mulheres da Cracolândia. Eu trabalho com jornalismo em quadrinhos também, que é uma vertente de produzir diversos tipos de conteúdo jornalístico em formato de quadrinho. E a reportagem é o que eu mais gosto de fazer. Que é basicamente o mesmo trabalho de apuração jornalística, com a roteirização e a narração do quadrinho. É um recurso muito usado quando você não pode tirar fotos, filmar os entrevistados. Então, essa pauta, esse formato, é o que eu tenho me especializado nos últimos anos.

Trecho da reportagem HQ: Mulheres da Craco, produzida pela Carol Ito para a Agência Pública
(Reprodução: Agência Pública)


E da série Novo Anormal, que sai todo domingo pela revista TPM. Eu estou publicando as minhas tiras autorais desde o começo da pandemia, março do ano passado. Ter esse espaço na imprensa tradicional, uma publicação frequente, sempre foi meu sonho. Eu sempre quis tentar publicar em jornal, em revista e agora eu consigo publicar nas redes sociais de uma revista. Para mim, como artista, é muito importante. Uma produção mais frequente, que leve meu trabalho e que possa repercutir mais. E me traz uma rotina de criatividade interessante, que eu nunca tinha feito antes, no sentido de ter que entregar uma tira por semana.

Tiras publicadas na série Novo Anormal
(Arquivo Pessoal)


Você poderia falar um pouco sobre o projeto Políticas e do blog Salsicha em Conserva?


Carol: Políticas é um projeto que eu criei em 2017, o objetivo dele é publicar, divulgar quadrinhos políticos feitos por mulheres e pessoas não-binárias, a priori no Instagram e no Facebook. No momento, sou eu e a Thaïs Gualberto, que é outra cartunista, que toca o projeto comigo. A ideia é justamente preencher esse lugar de “ah, mulher não faz quadrinho político” ou “elas não estão nos jornais, não estão fazendo esse comentário, assim como os homens”. Nunca tiveram esse espaço. A ideia é criar o registro dessas produções que sempre foram feitas, porém não tiveram a mesma visibilidade, e inserir mais a voz das artistas mulheres no debate público. Que é importante, ainda mais no momento que a gente vive, pra que a democracia de fato seja uma democracia.

Políticas divulga quadrinhos políticos feitos por mulheres e pessoas não-binárias
(Reprodução: Instagram)
Salsicha em Conserva foi criado por Carol Ito em 2014
(Reprodução: WordPress)


E o Salsicha em Conserva é o meu blog de quadrinho autoral, que eu criei em 2014, quando comecei para publicar as coisas que eu fazia para mim, assim, que eu deixava no caderno, aí eu comecei a postar lá e também nas redes sociais e foi crescendo. Hoje, basicamente, eu uso o site como um portfólio, onde eu publico tudo, tudo que eu faço está lá registrado. Eu comecei, na verdade, a desenhar tiras e cartuns com personagens em forma de salsicha. E eles eram salsichinhas com braço, perna, enfim. E elas eram salsichas debochadas, que ironizavam comportamentos, redes sociais… elas eram personagens que falavam de vários assuntos. E o nome, Salsicha em Conserva, é porque eu sou de Marília, interior de São Paulo, e eu gosto muito de boteco, então, o que que tem nos botecos daqui, né? Que agora eu estou no interior, inclusive. A salsicha em conserva que fica lá no pote, no balcão por meses, anos, enfim. Eu gosto muito dessa iguaria. Então, eu decidi homenagear fazendo personagens em forma de salsicha.


Como jornalista, quadrinista e ilustradora como você analisa o jornalismo opinativo de hoje. Ou se preferir, pode fazer uma análise do jornalismo em forma geral.


Carol: Falando como jornalista e quadrinista, fazendo esse tipo de trabalho mais, digamos, ativista e não-imparcial, né? Totalmente parcial e opinativo, como você colocou, eu acho que é uma ferramenta importante para o funcionamento democrático. Ainda que a democracia tenha sérias ressalvas, sobre que democracia a gente vive no Brasil, que democracia foi construída aqui, né? Negando os direitos sociais de minorias, negando participação no debate público, enfim. Acho que, tirando essa questão, eu acho que é importante que várias vozes e várias opiniões possam disputar o debate, disputar a discussão política e disputar narrativas nesse momento que a gente vive. Principalmente nesse momento que está tão permeado por desinformação, por trapaças, digamos assim, no jornalismo ou nas fake news. Eu acho que se você leva uma informação com responsabilidade e comprometimento com a questão social e coletiva, é importante porque o debate está aí, sendo disputado por inúmeros discursos de ódio e de violência. Então, é importante resistir, com o conteúdo que leve o mundo para um lugar melhor, não que tente destruir o que a gente já tem.


(*) Aluna de Jornalismo (Unisinos / Porto Alegre). A conversa com Carol Ito foi motivada por um seminário sobre ilustração para a atividade de “Jornalismo Opinativo”.

Mais recentes