Deu certo

#comunicação #empreendedorismo #publicidade e propaganda #trinto
A tecnologia e a comunicação
"Conheça o publicitário que uniu suas duas paixões e hoje é sócio de uma empresa de consultoria especializada em transformação digital"
Lisandra Steffen


Marcelo Bock tinha 17 anos quando entrou no curso de Publicidade e Propaganda da Unisinos. Após finalizar um curso técnico em informática, quando ainda frequentava o terceiro ano do Ensino Médio, iniciou uma busca por cursos de graduação. “Eu gostava da parte da tecnologia, mas não para trabalhar no backend ou criando sistemas. Eu gostava de usar a tecnologia como meio, e eu entendia que essa era uma questão do futuro”, conta. Assim, em 2005, começou a percorrer o caminho que o levaria ao diploma e ao título de publicitário. Nutrindo uma visão romântica da publicidade, Marcelo entrou no curso querendo ser redator. A primeira experiência de emprego foi como analista de infraestrutura na desenvolvedora de softwares de gestão Cigam, ainda no primeiro ano de faculdade. “Na minha formação, eu sempre tive vontade de unir tecnologia e comunicação”, explica. 


Hoje, aos 33 anos – e formado há oito –, Marcelo é um dos sócios da Trinto, uma empresa de consultoria especializada em tecnologia e transformação digital. Foi gerente de projetos por quatro anos e, depois disso, tornou-se sócio. Este é o seu nono ano no empreendimento. “A Trinto tem muitos valores que eu respeito. A gente traz bastante coisa na bagagem que passei a empregar na empresa”, comenta Marcelo.


“A publicidade abre mil portas, e eu testei várias”


Marcelo queria ser redator para TV e revistas, mas, ao longo dos anos que passou na faculdade, as coisas foram mudando. “Sempre senti que eu me esforçava bastante, mas não tinha um talento natural para aquilo. Então, a vontade de ser redator foi diminuindo, muito por causa da disciplina de Planejamento”, revela.  Marcelo gostou tanto que não faltou a nenhuma aula, mesmo elas ocorrendo nas noites de sextas-feiras. Foi a partir daí que ele entrou para a área de gestão, que é o que faz até hoje.


“O curso de Publicidade te dá muitas possibilidades, abre mil portas, e eu testei várias”, lembra. Marcelo fazia poucas cadeiras a cada semestre para, nas palavras dele, “sentir o curso”. Com isso, optou por não se formar rápido para conseguir fazer mais estágios e ter mais experiências antes da formatura. Ele vê isso como uma escolha positiva, uma vez que as parcerias que fez durante os oito anos de Unisinos seguem com ele até hoje. “O fato de eu ter levado o curso muito a sério fez com que facilitasse, depois, as relações que eu tive com os colegas da faculdade”, conta Marcelo.


Uma visão romântica da publicidade


A intenção do publicitário sempre foi, de alguma forma, unir a tecnologia e a comunicação. Marcelo se vê como um entusiasta dessas duas áreas, tendo o comprometimento, o respeito, a colaboração e a qualidade como base. “Apesar do Brasil ser um país de terceiro mundo, que tem pouco acesso à informação, é possível ver a evolução do digital, do e-commerce, da comunicação, e entender que a gente tá passando por uma transformação. É muito gratificante, para mim, fazer parte disso. Mas eu ainda tenho aquela visão mais romântica, de acreditar na democratização da compra online, do acesso ao digital, do acesso à internet. Acho que é bem importante, e o futuro do Brasil depende disso”, defende.


Foi com esse pensamento que Marcelo se tornou sócio da Trinto. Ele se juntou à empresa porque sentia que outras agências não atendiam as demandas necessárias. Começou atuando com intraempreendedorismo (mesmo, na época, não sabendo que existia um nome para isso). É uma forma de gestão que te leva a trabalhar como se aquele empreendimento fosse teu e o ajuda a crescer. Para o publicitário, empreender, hoje, é mais concorrido, mas, também, tem algumas vantagens. Segundo ele, é preciso se aproveitar do digital, já que, muitas vezes, o que tu precisas para começar é apenas um computador e os teus conhecimentos. “Empreender é ter uma boa ideia e se cercar de pessoas que, não necessariamente são de mercado, mas que tenham seus talentos e se complementem. É possível empreender e sair do zero, mesmo sem ter trabalhado em outros lugares, fazendo bons projetos”, explica Marcelo.


Para o futuro, o publicitário se vê na Trinto realizando os projetos da empresa. Mas revela que tem também vontade de dar aulas para a graduação para mostrar, como diz, o “outro lado dos cursos de comunicação”, trazendo os resultados do digital e explicando como as pessoas podem trabalhar nas diversas áreas do segmento. “Quero dividir um pouco do que eu vivenciei nesses anos todos, provocando meus futuros alunos a entender o que é possível fazer quando a gente junta a comunicação com o digital”, vislumbra.

Mais recentes