Por dentro

#Linguarudo #Linguística Aplicada #popularização da ciência #PPGLA #Revista digital
A popularização da ciência a um clique de distância
“Iniciativa do PPGLA da Unisinos aproxima a ciência produzida nas universidades da população”
Lisandra Steffen


A popularização da ciência está cada vez mais em foco dentro dos Programas de Pós-Graduação (PPGs) da Unisinos. Foi pensando nisso que, em 2016, durante uma disciplina do PPG de Linguística Aplicada (PPGLA), a Linguarudo nasceu. Uma revista digital de popularização da ciência, cujos materiais são produzidos por alunos e alunas da Unisinos e por colaboradores.


Naquele ano, a disciplina de “Seminário de Leituras Avançadas – Comunicação da Ciência: aspectos discursivos e textuais”, ministrada pela professora Maria Eduarda Giering, tinha, como trabalho final, a produção de um texto de popularização científica sobre alguma pesquisa concluída ou algum tema pesquisado pelos alunos. A professora, que coordena o grupo de pesquisa Comunicação da Ciência: Estudos Linguístico-Discursivos (CCELD), viu ali uma oportunidade para as atividades práticas de divulgação da ciência. A Linguarudo surgiu, então, como uma ferramenta gratuita para publicar os textos produzidos pela disciplina.


Êrica Ehlers Iracet é graduada em Letras – Português/Inglês, além de ser mestra e doutora em Linguística Aplicada pela Unisinos. Ela integra o CCELD desde a graduação e participou do processo de criação da Linguarudo como aluna daquela disciplina de 2016. Ela conta que a revista foi pensada, inicialmente, como um veículo para publicar textos de popularização da ciência no campo das Ciências da Linguagem, mas que a Linguarudo foi se atualizando e se ampliando ao longo do tempo. “Neste ano, passamos a publicar textos sobre as mais variadas áreas do conhecimento, eliminando a restrição inicial ao campo dos estudos da linguagem. Além disso, criamos novas seções no site da revista, que permitem a publicação de materiais diversificados”, explica.


A divulgação da ciência


Além da Êrica, que é editora geral da revista, e da professora Maria Eduarda, coordenadora do CCELD e da publicação, a equipe da Linguarudo é composta por Dieila dos Santos Nunes, editora das seções “Linguarudinho” e “Podcasts”, Júlia Klein, que cuida da seção “Podcasts” e é responsável pelas redes sociais da revista, e Luciane Raupp, responsável pelo canal no YouTube, além de ser ilustradora. A importância da revista, segundo Êrica, vem do fortalecimento do letramento científico e da criação de uma cultura científica na sociedade. “Precisamos, cada vez mais, popularizar a ciência e, ‘de quebra’, mostrar ao povo lá fora o trabalho incansável que realizamos dentro das universidades”, acredita.


O grupo entende, por letramento, a capacidade de compreender métodos científicos. Ou seja, não apenas memorizar conceitos, mas saber aplicá-los em situações cotidianas. A partir disso, e percebendo uma carência da popularização científica de acesso gratuito para crianças no país, surgiu a ideia de criar a aba “Linguarudinho”. As discussões começaram no grupo de pesquisa e, também, na disciplina do PPGLA que originou a Linguarudo. “Baseando-nos em estudos sobre a relação entre popularização da ciência e letramento científico, corroboramos o princípio de que o letramento científico deve iniciar já na educação infantil e nas séries iniciais”, comenta Êrica.


O conteúdo da Linguarudo é divulgado por meio dos perfis nas redes sociais e, também, por uma rede de disseminação entre os PPGs e cursos de graduação da Unisinos. A Linguarudo também oferece cursos de capacitação para produção de material para publicação na revista e tem parcerias com outras instituições com o objetivo de popularizar a ciência. A reação do público também chama a atenção. “O retorno é sempre muito positivo e, muitas vezes, além da captação de novos leitores, percebemos o interesse em colaborar com a produção de conteúdo para a Linguarudo”, conta Êrica.


A colaboração na revista é simples: “Para publicar na Linguarudo, é preciso, antes de mais nada, ter vontade de compartilhar conhecimento científico com o público não especializado e vontade de contribuir para a criação de uma cultura científica que ultrapasse os muros da universidade”, explica a editora. Sendo assim, o próximo passo é consultar a aba “Sobre a Revista“, onde se encontram a política editorial, o tutorial de submissão e algumas dicas para escrever na Linguarudo.

Mais recentes