Por dentro

#Direitos Humanos #jornalismo #jornalismo de dados #meio ambiente #mina guaíba
Um debate sobre a Mina Guaíba
“Durante o evento Dia dos Dados Abertos, jornalistas e comunidade local interessados no assunto abordaram o projeto que prevê a instalação de uma mina de carvão próximo a duas cidades gaúchas”
Guilherme Machado


Em 7 de março, ocorreu mais uma edição do Dia dos Dados Abertos, na Unisinos Porto Alegre, um evento internacional que mobiliza comunidades pelo mundo todo. As jornalistas Taís Seibt e Marília Gehrke, organizadoras do encontro local, pautaram a discussão sobre o projeto da empresa Copelmi, que quer construir, nas cercanias das cidades de Charqueadas e Eldorado do Sul, a Mina Guaíba, para extração de carvão mineral. A ideia do assunto está dentro da linha de dados ambientais proposta pela Open Knowledge, órgão responsável pelo evento no mundo todo. 

A construção da Mina Guaíba tem causado preocupação na comunidade gaúcha pelos possíveis impactos ambientais que o empreendimento pode causar, como o rebaixamento do lençol freático e inundações do Rio Jacuí. O projeto está em fase de licenciamento junto à Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler (Fepam). A Copelmi, que trabalha neste ramo desde 1883, concentra mais de 80% do carvão de uso industrial do país. A mina, que será a céu aberto, poderá ocupar uma área de 4 mil hectares.

O encontro contou com a participação do geólogo Rualdo Menegat, o engenheiro ambiental Iporã Brito Possantti e da doutora em Serviço Social Marilene Maia. Taís, que é professora do curso de Jornalismo da Unisinos, explicou a importância de se discutir o assunto: “Não são apenas os moradores vizinhos da obra que vão ser impactados. Como o meio ambiente é único, toda a região metropolitana tem um potencial de impacto muito grande”.

Cada profissional fez um painel sobre os diferentes aspectos do projeto da Copelmi. Rualdo dedicou-se aos impactos locais da construção da mina, que podem afetar o Rio Jacuí e o Parque Estadual do Delta do Jacuí. “Nós não estamos olhando para um evento que começa amanhã e logo termina”, enfatizou o pesquisador. Se o projeto for aprovado, a mina irá funcionar por 23 anos, gerando, segundo a Copelmi, 1.154 empregos diretos e 3.361 empregos indiretos. Apesar dos números, Marilene é reticente. “Não sabemos quais serão as condições de emprego desses trabalhadores. Além disso, parte da população poderia ainda estar fora do debate sobre a Mina Guaíba”, comentou. 

Os palestrantes trouxeram muitos dados sobre o projeto. Marilene apontou que a exploração de carvão mineral na região poderia comprometer a produção de arroz e qualquer outro cultivo agrícola. Além disso, ela calcula que cada tonelada de carvão explorada resultará em um custo de 9,5 dólares ao sistema de saúde. Já Rualdo reforçou o fato de que a mina será construída em uma região imprópria e poderá gerar uma migração populacional, principalmente, de indígenas e agricultores. A extração de carvão mineral poderá afetar e remover a flora e fauna da região. Confira os materiais dos palestrantes.

O Dia dos Dados Abertos reuniu pessoas de diferentes idades, mas com um mesmo objetivo: entender melhor o cenário da Mina Guaíba. Isadora Ribeiro, 16 anos, se preocupa com a iniciativa. Começou a estudar o projeto da Copelmi para um trabalho da disciplina de Sociologia, do Colégio Anchieta. O resultado foi levado para o Salão de Iniciação Científica da UFRGS. Isadora é contrária à instalação da mina e defende a união da população para barrar o empreendimento. “A única coisa que pode provocar a mudança é uma massa se unindo contra isso”, disse a estudante.

Junto com Isadora, participaram Ingeborg Eichwald, Allan Ervin Krahn e Marie Ann Wangen Krahn, integrantes do Serviço de Paz (Serpaz), que trabalha com direitos humanos e resolução de conflitos. “Essa é nossa casa, não podemos destruí-la pela vaidade e pela ganância. Temos que lutar contra a mina e a favor da vida”, defendeu Allan. Para Marie Ann, a vida tem a ver com o cuidado de todo o planeta.    

A estudante Isadora acredita que é preciso que as pessoas se unam contra o projeto Minas Guaíba. (Foto: Guilherme Machado)
Allan, junto com Marie Ann e Ingeborg: “Temos que lutar contra a mina e a favor da vida”. (Foto: Guilherme Machado)

Confira mais imagens do encontro:

Mais recentes