Por dentro

#arte #ausência #fotografia #kino beat #MARGS
A ousadia de não lutar, mas conviver na floresta
“O artista gaúcho Tomaz Klotzel, desenvolveu um trabalho artístico a partir da história de dois defensores da floresta amazônica que foram assassinados. ”
Guilherme Machado


O trabalho Ousadia Majestade foi apresentado no Festival Kino Beat, que ocorreu em meados de dezembro, no Museu de Arte do RS.  O produto, que fica na fronteira entre a fotografia, poesia, prosa, e tem formato documental se baseia na história do casal de ambientalistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva, mortos em 24 de maio de 2011, em Marabá (PA). José era membro do grupo ambientalista Conselho Nacional das Populações Extrativistas – CNS, e vinha recebendo ameaças de madeireiros e criadores de gado devido a sua atuação na defesa da floresta tropical. Em 4 de abril de 2013, Lindonjonson Silva Rocha e Alberto Lopes do Nascimento, foram sentenciados a 42 e 45 anos de prisão pelo assassinato dos defensores de direitos humanos.

O crime que ocorreu no início da década chamou a atenção do artista Tomaz Klotzel. “Eu comecei a ler mais sobre o assunto e entender mais sobre esta região da Amazônia. Então, teria o segundo julgamento do mandante do assassinato de José Cláudio e Maria, fui para o julgamento e acabei indo para a região de Marabá”, conta. Tomaz ficou no local por um mês e meio, conheceu a CPT – Comissão Pastoral da Terra, órgão que dá assistência aos povos da região amazônica e visitou os locais onde tinham ocorrido os assassinatos, afinal, ali havia uma disputa de terras em que outros casos já tinham ocorrido.

Conversou com testemunhas, parentes, sobreviventes e iniciou pesquisas nos registros policiais. Ao ler o texto de julgamento começou a entender os casos. Aos poucos percebeu que o que tinha em mãos poderia ser denunciado. Para isso, usou sua  arte.

“Quando eu chegava nos locais eram lugares sem memória, como uma beira de estrada, uma rua, ou capoeira na mata. Então, o interessante era que os eventos desapareciam, mas os locais davam testemunho do processo de invisibilidade. Um processo violento que tem um objetivo específico, invisibilizar populações. Ao mesmo tempo, eu vi que a coleção de relatos que eu tinha me ajudava a reconstruir essa imagem. Eu comecei a pensar em uma maneira de apresentar um trabalho que unisse a fotografia e o texto e que isso pudesse construir uma imagem” – Tomaz Klotzel 

Assim, nasceu Ousadia, Majestade!

Ousadia para conviver na floresta

Foto do trabalho Ousadia, Majestade! de Tomaz Klotzel

Meu esposo era um sindicalista, vivia na luta, trabalhando, lutando para adquirir um pedaço de terra para trabalhar, ele e a minha filha. E acabou sendo assassinado aqui dentro de casa. E no dia do assassinato a casa aqui estava cheia de gente. Tinha até uma criança recém nascida, deitada na rede. – Cleonira Barbosa da Silva Torres, viúva de Pedro de Oliveira Torres (Foto e Texto: Tomaz Klotzel)

Confira o áudio completo

Foto do trabalho Ousadia, Majestade! de Tomaz Klotzel

Aqui foi aqui que  aconteceu a tragédia. Hoje é uma casa diferente, era uma casa de madeira na época, simples. Eram 7 horas da noite, vieram dois rapazes, bateram na porta, entraram. Executaram a minha mãe, Cleonice, meu pai José e meu irmão caçula que estava na rua. – Edinaldo Campos Lima, filho das vítimas (Foto e Texto: Tomaz Klotzel)

Confira o áudio completo

Foto do trabalho Ousadia, Majestade! de Tomaz Klotzel

A Curva do S é um lugar de tristeza para mim. Porque nós convivemos ali. Eu não sinto aquele lugar ali como a moradia de pessoas alegres. A gente sente a presença, quando chega naquele local – não sei se acontece com outras pessoas, ou se é porque isso não sai da minha cabeça, e acho que só vai sair quando eu morrer mesmo. – Maria Jesuíta de Araújo, sobrevivente do massacre (Foto e Texto: Tomaz Klotzel)

Confira o áudio completo

Foto do trabalho Ousadia, Majestade! de Tomaz Klotzel

A moto saiu da ponte e caiu aqui na frente. O tiro pegou de lado nele. Terminaram de executar ele e depois executaram a Maria. – Zé Rondon, cunhado das vítimas. (Foto e Texto: Tomaz Klotzel)

Confira o áudio completo

Tomaz criou a obra como uma forma de indagar como se constrói uma imagem e sua constituição. Atualmente, está em exposição no Vídeo Brasil, até 2 de fevereiro. 

“A resolução expográfica do trabalho é uma das maneiras de apresentar. A outra é a que apresentei no MARGS, uma palestra com um texto não exatamente explicativo, mas que lida com algumas ideias e questões poéticas. O trabalho é uma coleção de dados que pode ser apresentada de diferentes formas” – Tomaz Klotzel

Por quê Ousadia e Majestade? 

Ousadia era uma expressão que a Maria tinha, ela dizia: “É necessário ousadia para conviver com a floresta”, o que é muito interessante, porque eles enfrentavam grandes madeireiros. Existe uma expressão que é consórcio, quando vários poderes se reúnem nessa violência que visa silenciar, Zé Cláudio e Maria foram assassinados por um consórcio de madeireiros e de outros poderes. Ousadia não era da luta, mas do convívio. A ousadia de ter a coragem de não batalhar. Já Majestade é o nome de uma castanheira centenária, 60m de altura, que está no lote de terras do casal. – Tomaz Klotzel

O Artista

Tomaz ,40 anos,tem bacharelado em Fotografia pelo Senac/SP e se considera um nômade: está onde tem trabalho. Suas andanças incluem São Paulo, Marabá, Buenos Aires, Rio de Janeiro, mas suas raízes estão em Pelotas (RS). O pai assinava a revista National Geographic, cujas fotos o encantavam. A fotografia de guerra era uma de suas aspirações, queria viver coisas extremas e liberar o hormônio da adrenalina.  

Este gaúcho já desgarrado de seu pago levou um tempo até se entender como artista, resultado do trabalho Meteora, no qual fez um cruzamento de investigações sobre o tempo a partir da ativação de ideias como memória, rito e materialidade. “Foi quando eu tive mais contato com a arte contemporânea. Lá eu conheci outros artistas e minha cabeça explodiu”, afirma Tomaz que prefere não delimitar seu trabalho dentro de mídias. “Para mim, nunca fez muito sentido essas divisões (Fotografia, Cinema, Pintura, Música, Poesia), pelo menos na história da arte, século XX, os caras exploravam os limites. Como assim fotografia? Aí eles faziam fotogramas. A fronteira é um lugar específico”, conta o artista. 

O artista também fala sobre ausência. Para ele, as artes visuais sofrem um esgotamento que é do visual, afinal, como podemos fazer uma imagem que seja interessante? Até que ponto podemos trabalhar com ela? “Talvez, assumir uma incapacidade de registro da fotografia, pelo consumo excessivo de imagens algumas coisas se tornam invisíveis”, diz o artista que usa justamente a ausência em seu trabalho Ousadia, Majestade!

Mais recentes