Por dentro

#curta metragem #publicidade e propaganda #relações públicas #representatividade
Curta-metragem “Versos de uma canção social” estreia dia 4 de dezembro
“Filme produzido pela turma de Produção em Imagem deste semestre será pauta de cinedebate do evento Década Afrodescendente, da ONU”
Bruna Lago


Racismo velado, insegurança, falta de representatividade e a batalha para superar os problemas sociais que afetam a população negra. Essas foram as premissas utilizadas pelos alunos no curta-metragem produzido na disciplina de Produção em Imagem, comandada pela professora Lisiane Cohen. 


Neste semestre, a cadeira firmou parceria com o Centro de Cidadania e Ação Social Unisinos (CCIAS), que desafiou a turma a contar uma história que pudesse servir como pauta para um cinedebate na Década Afrodescendente, evento global promovido pela ONU, que vai de 2015 a 2024.

As discussões sobre o projeto começaram no primeiro dia de aula (Foto: Divulgação)


A disciplina, que é optativa de alguns cursos, contou com 24 alunos de Publicidade e Propaganda (PP), Relações Públicas (RP) e Administração. “O curta, que geralmente é feito durante o semestre todo, tinha que estar pronto até o dia 20 de outubro, dia do evento”, explica Sandrine Liége Martins dos Reis, estudante do 4º semestre de RP. 


Apesar da correria, deu tudo certo. Além do curta-metragem, os alunos produziram podcasts, material para as redes sociais e a identidade visual para a Década Afrodescendente, que o CCIAS pode utilizar até 2024.  


A atividade, que abrange toda a produção e edição do curta, permitiu aos alunos desenvolver habilidades em setores diversos. “Cada um escolheu a função que se considerava mais apto, mas, no dia da gravação, todos ajudaram na maquiagem dos atores, no figurino e na montagem das cenas”, comenta Sandrine. “É uma cadeira bastante prática. Aprendemos a trabalhar como um coletivo. Apesar de todos termos uma função, precisávamos uns dos outros para que o curta e as transmídias dessem certo.”

As técnicas relacionadas ao audiovisual foram essenciais (Foto: Divulgação)


Lisiane, que também é cineasta, contribuiu com sua experiência no projeto e auxiliou os alunos a desenvolverem suas próprias habilidades. “O audiovisual é um trabalho em equipe, então, se não houver envolvimento, não acontece”, explica a professora. “Eles desenvolveram todas as competências relacionados ao audiovisual: roteiro, produção, direção de arte, direção de fotografia, edição, som, finalização. E também as habilidades interpessoais, como o respeito ao outro.”


A história, protagonizada pelos atores Fernando Silveira e Manuela Berndt, “busca servir como provocação a vários preconceitos velados que vivemos sem perceber”, diz o material de divulgação do projeto. Conforme os produtores, “a ideia é abordar um assunto denso de forma leve, colocando uma lente otimista num dos debates mais polêmicos da nossa era”. 


O curta tem uma página no Instagram, onde podem ser conferidos fotos do projeto e um making of com os alunos e os atores. O lançamento ocorre dia 4 de dezembro, às 19h30min, no Labitics, que fica no prédio D02 do campus São Leopoldo. Além do curta, também serão lançados os dois primeiros episódios do podcast, que debate os desafios do trabalho.

Mais recentes