Primeiras conquistas de uma incrível jornada - Portal da Indústria Criativa


Primeiras conquistas de uma incrível jornada

Integrantes da primeira equipe do Portal Mescla comentam experiências

Postado em: 24/04/2018
Por: Eduarda Bitencourt

Texto: Eduarda Bitencourt e Thamyres Thomazini 

Um ano de muito trabalho, conquistas, erros e acertos, coberturas, experiências e histórias incríveis. O Portal Mescla surgiu da ideia ambiciosa de unir 13 cursos, da Escola da Indústria Criativa da Unisinos em apenas um espaço digital. Hoje, os números contam os primeiros passos da trajetória do portal: são mais de 700 postagens, que incluem 15 coberturas, mais de 300 notícias, 40 perfis, aproximadamente 200 vagas e oportunidades e diversos vídeos e podcasts voltados para o público da Escola Indústria Criativa.

Para dar vida à constante produção de conteúdo, a equipe do portal é composta hoje por sete repórteres, dois deles atuando em Porto Alegre, e por uma professora editora, Anelise Zanoni. “Este ano deve ser muito comemorado, porque melhoramos processos de trabalho e estamos cada vez mais próximos da realidade do mercado. O estudante que atua como repórter aprende muito, publica conteúdo de qualidade e sai preparado para enfrentar vagas importantes de emprego”, avalia a professora Anelise.

 

Como tudo começou

Criado pela Agência Experimental de Comunicação da Unisinos (Agexcom), o Mescla já mostrava seu objetivo na fase da criação. Estagiários de diferentes núcleos e com habilidade complementares foram convocados a pensar fora da caixa. A tarefa consistia em criar um portal que englobasse os mais diversos conteúdos.

Apresentação Mescla

A repórter da primeira fase Natália Collor integrou a equipe multidisciplinar de desenvolvimento do conceito do novo portal. “Nós pensamos em uma plataforma que unisse todos os cursos, com base no que gostaríamos de consumir. Um dos maiores aprendizados foi trabalhar em grupo, porque eram ideias muito legais, de muita gente. Era preciso saber lidar com opiniões diferentes. Foi muito interessante, nesse começo, colocar o Mescla na boca das pessoas e participar de reuniões com o reitor, o decano e grandes professores da Unisinos”, lembra.

O web designer da época Shahin Nasrabadi relembra com diversão os brainstorms de criação do Portal Mescla. “Reunimos uma equipe que se engajou desde o início. No primeiro encontro tínhamos como objetivo principal criar algo diferente e que unisse os cursos da Escola Indústria Criativa, ou seja, realmente construir um lugar onde um estudante de Gastronomia e um de Jornalismo pudessem procurar vagas, ou portfólios sem ficar de mãos abanando”, explica.

Fabricio Barili, primeiro programador a implementar as ideias do novo site, relembra que o momento foi desafiador. “A expectativa era grande por parte dos coordenadores e professores. Sabíamos que seria algo grandioso, e substituir o Unicos não seria tarefa fácil. Teríamos que construir algo tão bom quanto, que estimulasse a leitura e o compartilhamento nas redes sociais.”

O diretor de arte da equipe Caique Aguila também vê a fase de criação como algo trabalhoso. “Foi um processo demorado com muitas alternativas desenvolvidas até chegarmos a que foi selecionada. Foram vários brainstorms e, para mim, o principal desafio era tentar trazer esse espírito de união e mistura entre os cursos através da identidade visual, que por fim foram as próprias letras do portal formando um cubo, todas misturadas, mas unidas construindo uma forma sólida.”

 

Expansão de público e temas

Débora Lapa Gadret, professora e coordenadora do curso de Jornalismo da Unisinos Porto Alegre, foi a primeira responsável a conduzir o projeto Mescla, no final de 2016. O sites anteriores, eram, segundo a professora, ambientes pouco interativos e responsivos. Já no novo portal tanto os conteúdos quanto o público foi expandido. “No Mescla, a partir da reestruturação da universidade em escolas, o público-alvo expandiu-se para a comunidade acadêmica da Escola da Indústria Criativa, seja em nível de graduação ou pós-graduação. Isso ampliou bastante o escopo dos conteúdos produzidos pela equipe de jornalismo da Agexcom”, explica.

Natália Collor compartilha do mesmo sentimento. “A principal diferença do Unicos para o Mescla foi passar de algo muito específico de comunicação, para algo de toda Indústria Criativa. Tivemos que sair da zona de conforto também para pensar em matéria multimídias, algo que não nos arriscávamos antes. Sem dúvidas agregou no meu currículo. Participamos de vários eventos legais, entrevistamos muitas pessoas, eu aprendi a gravar para rádio e vídeo. Nós passamos por alguns obstáculos no começo e com certeza isso me fez crescer.”

Carol Steques, repórter do campus Unisinos Porto Alegre e integrante da equipe inaugural do portal, vê a plataforma como uma oportunidade de inovação. “Acredito que uma das diferenças do Portal Unicos para o Mescla é o conteúdo. No Mescla podemos inovar bem mais nas pautas e nos assuntos. Além, é claro, do visual, que ficou muito mais colorido e bonito, atraindo mais leitores. É maravilhoso a universidade abrir esse espaço de alunos escreverem e elaborarem notícias para outros alunos.”

 

Desafios

Assim como na Agência Experimental de Comunicação da Unisinos (Agexcom), o novo portal busca incentivar os alunos a desenvolverem a criatividade. Prezando sempre por uma equipe de alta qualidade e conteúdos diferenciados.

Cassiano Cardoso, um dos estagiários do núcleo de Jornalismo, que passou pela transição dos portais, comenta sobre sua experiência: “Primeiramente, a experiência na Agexcom é algo diferente e abre as portas do mercado de trabalho. Todas as arestas que tu tinhas vão se cortando, os nós vão se desfazendo e os problemas de texto vão diminuindo. Eu desenvolvi muito minha escrita justamente por isso, tanto no Unicos quanto no Mescla.”

Equipe Mescla na cobertura do Prêmio Unicos 2017

O trabalho em grupo também é um ponto chave dentro da redação do Mescla. A repórter Liane Oliveira recorda que durante o estágio aprendeu várias possibilidade de executar uma pauta. “Como antes de entrar no Mescla eu estagiava em assessorias de órgãos públicos, o meu desafio foi deixar a pauta mais leve, com uma linguagem mais descontraída.”

Sendo seu primeiro estágio na área, Fernando Wasem Eifler, adquiriu as primeiras bagagens do caminho profissional. “A partir do Mescla é que eu pude ‘entrar de cabeça’ no jornalismo. Acho que o maior desafio foi entender e me adaptar a cobertura de eventos. Eu estava muito preso àquela coisa de ir a um lugar, ver o que está acontecendo, falar com a pessoa e ter prazos mais longos. Poder colocar a mão na massa, sair um pouco da didática da faculdade, que é mais teórica, e fazer a cobertura in loco me acrescentou muito”, enfatiza.

 

Equipe atual do portal

Thamyres Thomazini, repórter multimídia e atual estágiaria do núcleo de Jornalismo, também esteve presente na mudança das plataformas. “O Mescla trouxe uma grande bagagem no meu currículo, assim como o Unicos. A oportunidade de escolher as próprias pautas, conhecer pessoas que admiramos e exercer na prática o Jornalismo são fatores essenciais para nos tornarmos profissionais melhores”, diz.

Kellen Dalbosco, repórter da atual equipe também conta sua relação com o portal. “As coisas fluem com mais facilidade no Mescla, temos liberdade para escrever sobre (quase) qualquer coisa. Faz quase um ano que estou aqui e as expectativas só aumentam. Na Agexcom podemos experimentar, o que é fantástico!”

A repórter Eduarda Bitencourt iniciou o estágio uma semana antes do Mescla ir ao ar e participou de todas as transformações dele. “Tenho um ano de Agexcom e um ano de Mescla. É muito bom crescer junto com o portal, acompanhar as mudanças e observar seu desenvolvimento. É uma troca de experiências incrível a cada pauta realizada e troca de equipe”, afirma.

 

Trabalho para o futuro

No horizonte, muitas conquistas e muitos trabalhos aguardam as próximas equipes do portal, que se renovam em ciclos de até dois anos devido ao contrato dos estagiários. Assim como o compartilhamento da informação muda constantemente, o Mescla também busca se adaptar e renovar sempre.

“Há desafio de trabalhar de forma mais intensa a multimedialidade. No entanto, percebo que a renovação dos estagiários – com diferentes habilidades – permite produzir não apenas textos, mas imagens e vídeos de qualidade. O Mescla é super importante para a promoção de atividades de interesse dos cursos da Escola da Indústria Criativa, além de ser um hub de reportagens sobre temas que interessam a comunidade da escola”, afirma Débora Lapa Gadret.

“Conforme o tempo passa, temos um avanço em qualidade na produção de conteúdo – isso deve-se à qualidade dos estagiários e à prática constante deles. Parte dessa evolução é percebida na quantidade de solicitações que recebemos para fazermos coberturas jornalísticas de eventos e para produzir textos específicos para a Indústria Criativa”, reforça a professora Anelise Zanoni, editora do portal Mescla.

Redes Sociais